Toma posse em Cuiabá, MT, o novo arcebispo, dom Mário Antônio da Silva

Rosa M. Martins - REPAM

Na manhã deste domingo, 1º de maio, tomou posse em Cuiabá, MT, o novo arcebispo, dom Mário Antônio da Silva, também 2º presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e membro da Diretoria da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM- Brasil).

Fiéis da Diocese de Roraima, onde atuou Dom Mário, um número significativo de irmãos no episcopado, entre eles o presidente da Conferência, dom Walmor Oliveira; fiéis leigos e leigas da cidade de Cuiabá, religiosos, religiosas, autoridades civis e militares, vocacionados e vocacionadas, membros de outras Igrejas cristãs, representantes da religiosidade e cultura popular da capital, como os cururueiros, participaram da Celebração Eucarística, transmitida ao povo, também por meio de um telão do Cine Cuiabá e por vários Meios de Comunicação.

Na homilia, dom Mário convidou os fiéis cuiabanos a se deixarem transfigurar pela Palavra, mas advertiu que, à luz dos Atos dos Apóstolos, é possível dar um passo a mais: “testemunhar e concretizar o projeto de salvação que Jesus iniciou e que Ele, Vivo e Ressuscitado, acompanhará sempre a sua Igreja e missão, vivificando-a com a sua presença e orientando-a com a sua palavra.

A proposta de Jesus não compactua com esquemas injustos e opressores

Dom Mário enfatizou que a proposta evangélica anunciada é libertadora e não se compadece nem compactua com esquemas egoístas, injustos e opressores. “É uma mensagem questionadora, mas, também transformadora, que põe em causa tudo o que gera morte, injustiça e opressão. Por isso, é uma proposta rejeitada e combatida por aqueles que dominam o mundo e que oprimem os fracos e os pobres. ”

“Abracemos a mística do Crucificado, Ressuscitado”

Convidou os cuiabanos a fazerem opção preferencial pela mística de Jesus e explicou: “No Evangelho vemos que Pedro foi forte, corajoso e profético ao indicar para a sociedade da época quem matou Jesus, confiante e transfigurado pela ressurreição do Senhor. Ele nos ensina a verdadeira mística, a mística do cristão, dos atos dos apóstolos e dos apóstolos e apóstolas de hoje, e essa mística do cristão não é apenas a mística da cruz, não sem a cruz é a mística do Crucificado. A mística do Crucificado é a mística de quem ama, quem se doa até as últimas consequências. Abracemos, irmãos e irmãs a mística do Crucificado, Ressuscitado”.

Mário, tu me amas?

Dom Mário Antônio parafraseou o texto do Evangelho, da liturgia deste domingo, e enfatizou que Jesus várias vezes, como a Pedro, lhe fez este questionamento e, ao responder sim, sempre foi enviado em Missão. “Mário, tu me amas? Eu respondi: Sim, Senhor! Ao que Ele me disse: Vai para Cuiabá”.

“Venho para servir”

Ainda durante a homilia, dom Mário disse ao povo que aceitou “com muita confiança em Deus, a cruz, o báculo, o cálice, a alegria, o pão partilhado, o peixe assado…Venho com toda serenidade, para servir e servir, em vocês, o Senhor Bom Jesus. Testemunhar e servir. Me ajudem! ”

Assista na íntegra a celebração

 
Indique a um amigo